Olá Amigo Empresário.

Veja este questionamento que muitos de vocês fazem:

– Minha Empresa está dando lucro, mas quanto eu posso tirar dela ?

Que bela pergunta, não acha.

Mas antes de responder, deixa eu te dar os parabéns.

Sim, parabéns por ter uma Empresa que está gerando Lucro.

Agora, esta resposta que irei dar só irá servir como orientação para os Empresários de Suce$$o, correto ?

Claro que não.

Se sua Empresa ainda não está Gerando Lucro, não faz mal, fique aqui e absorva o que iremos discutir, e depois comece a aplicar quando passar a ter Lucro.

Outro ponto antes de seguirmos adiante.

O que vamos ver é, o quanto retirar do Lucro gerado.

O seu salário, ou melhor o seu Pró-Labore é outra coisa.

Sabe aquelas reportagens, onde escutamos dizer que os sócios fizeram uma distribuição de Lucros anual, com um crescimento de 5% se comparado ao ano anterior.

Bonito, não acha.

Então, é sobre isto que estamos discutindo aqui.

É sobre o Lucro, o quanto e quando podemos fazer uso dele.

E convenhamos, e vou repetir mais uma vez.

Nos tornamos Empresários única e exclusivamente por este motivo.

Para termos a condição de ter a distribuição dos Lucros.

O salário do Empresário não será a fatia grande do bolo, e nem pode.

Porque Lucro não se distribui todo mês.

Esta deve ser uma prática Anual (a distribuição do Lucro) , quando muito semestral.

Então, vamos a análise do quanto posso, como Empresário, retirar do Lucro da minha Empresa.

A primeira resposta será: DEPENDE !

Sim, porque no primeiro momento não existe um índice ou um valor básico que determina o quanto se pode ou se deve retirar.

Não temos uma regra, mas sim um bom senso.

Hipoteticamente, vamos considerar uma Empresa que iniciou suas atividades, ela ainda está nos seus primeiros 2 anos de atividade, bem novinha por sinal.

Uma Empresa genuinamente familiar, ou talvez não, isso não importa

Aqui, como Gestor e como Orientador, vou afirmar categoricamente que não deverá existir a distribuição dos Lucros.

Este recurso deverá permanecer na Empresa para formar o Fluxo de Caixa, também para formar a Reserve de Emergência.

A partir do momento que estes recursos forem sendo formados, ai sim poderá ser realizado a distribuição dos Lucros.

Talvez você esteja pensando, ou questionando, qual o tempo para isso ocorrer ?

Novamente, depende !

A Empresa está indo bem, então este tempo será menor.

Considerando que está indo bem, obrigado, a partir do terceiro ou quarto ano, pense em uma retirada de 25% a 35% do Lucro gerado pela Empresa.

Já melhorou, concorda ?

Pelo menos 1/3 do Lucro passou a ser dividendos para o Empresário.

Mas eu (Empresário) gostaria de fazer uma retirada maior.

Opa, querer aqui muitas vezes não é não pode ser poder.

Números, números é que determinam a ação, e bom senso, claro.

Como falamos inicialmente, não temos a regra definida, determinada.

Neste caso então, do bom senso, analisando a situação atual da Empresa, podemos considerar uma retirada de 70% a 80%, deixando sempre uma parte para a Empresa.

Valendo lembrar mais uma vez que estamos falando dos Lucros. Isto é sempre bom frisar.

Quanto ao seu salário ou pró-labore, considere ser um valor coerente e fixo.

Todo mês ele terá a mesma regra que o pagamento dos funcionários, com data e valor determinado.

Estas considerações que fiz sobre o valor da distribuição dos Lucros, ela é baseada em resultados das Pequenas Empresas.

Empresas onde o Empresário se encontra ali no dia a dia da Empresa.

Esta retirada também só será possível se for respeitado a separação entre as contas Físicas e Jurídicas.

Agora, o que estou querendo dizer com isso ?

Que o Empresário vai ter sim o seu salário e não irá misturar os pagamentos da Empresa com as suas Despesas Particulares.

Outro ponto importante será respeitar a periodicidade da Distribuição do Lucro.

Fazer distribuição mensal deixará de ser distribuição e passará a ser pró-labores mensal.

Para terminar, fica o questionamento:

– Você tem seu pró-labore fixo e mensal ? E sua Empresa, ela está gerando Lucro ? Qual está sendo este Lucro ?

Abs, e suce$$o…

Florisvaldo Alves Pereira

Diretor da TDP e Mentor da Metodologia AUFRE

(14)9.8135.4894 florisvaldo@tdp.com.br